Resenha 008 - Os Garotos Corvos - Maggie Stiefvater

Os Garotos Corvos - Maggie Stiefvater
Sinopse: Skoob
Comprar: Extra
Editora: Record / Verus


Os Garotos Corvos: prato cheio pra quem gosta de sobrenatural

“Destino — respondeu Blue, olhando furiosa para a mãe — é uma palavra muito pesada para se dizer antes do café da manhã.”

Os Garotos Corvos é o primeiro livro da Saga dos Corvos de Maggie Stiefvater. E, como descrevê-lo? Sobrenatural, misterioso, sombrio, bizarro… todas essas palavras se encaixam para uma boa descrição sobre a trama.
Bom…. Blue tem uma família toda de médiuns. Porém, ela não é uma, mas “tem poderes”: sua presença aumenta o poder dos outros. Então, sempre que precisam de mais poder, sua mãe e suas tias pedem para Blue ficar por perto. Mas há muitos segredos na família: um dos principais é que Blue não sabe quem é seu pai, e sua mãe nunca contou nada sobre ele. O livro começa com Blue indo a uma igreja abandonada com sua tia Neeve, para observar o caminho dos mortos. Todo ano ela acompanhava uma das médiuns nesse passeio, e nunca havia visto nenhum espírito lá. Mas esse ano ela viu.
“Existem apenas duas razões para uma não vidente ver um espírito na véspera do Dia de São Marcos, Blue. Ou você é o verdadeiro amor dele — disse Neeve — , ou você o matou.”
E aí vem a pergunta: o que o verdadeiro amor de Blue tem a ver com a morte? Pois é, desde sempre dizem para Blue que se ela beijar seu verdadeiro amor, ele morre. Então, ela tem 16 anos e nunca beijou ninguém. E, claro, tem medo de gostar de alguém e querer beijá-lo, pois ele pode morrer com isso. O espírito que Blue vê é Gansey. Gansey faz parte de um grupo com mais três meninos: Adam, Ronan e Noah. Eles estudam numa escola particular chamada Anglionby — a blusa da escola tem o desenho de um corvo, e por isso eles são chamados “Garotos Corvos”. Blue nunca quis ter contato com nenhum garoto corvo, mas isso muda depois de ver Gansey neste dia.
“O curador de um museu no Novo México certa vez dissera a Gansey: “filho, você tem um jeito extraordinário para descobrir esquisitices”. Um historiador romano impressionado comentara: “você é esperto, olha debaixo de pedras que ninguém mais pensa em levantar”. E um professor inglês muito velho declarara: “garoto, o mundo mostra para você o que tem nos bolsos”. Gansey descobrira que a chave era acreditar que essas coisas existiam; você tinha de se dar conta de que elas eram parte de algo maior. Alguns segredos se mostravam apenas para aqueles que se provavam merecedores.”
Eu podia dizer agora que meu personagem preferido é Gansey. Mas é mentira, pois Adam é demais, apesar de sua teimosia. E também Blue. E até mesmo o irritante do Ronan. E Noah, tão quietinho, é um personagem muito legal. E aí notei que Stiefvater tem um poder também: ela nos mostra os personagens aos poucos, e você acaba adorando todos.
A história começa com Blue e as coisas anormais que ocorrem em sua casa, depois conhecemos o quarteto dos Garotos Corvos, e, quando Blue passa a andar com eles, tudo fica muito mais misterioso e bizarro. Gansey tem um diário, que Blue acaba "achando" e lendo. Nele, estão anotados todos seus conhecimentos sobre as linhas ley. Peraí, mas o que são linhas ley? O tal caminho dos mortos que a Blue tava lá no começo do livro, sabe? O outro nome é linha ley:
“A linha ley era uma energia inexplicável, incontrolável, bruta. Algo lendário. Quem quer que viesse a controlar as linhas ley seria mais do que rico. Quem quer que viesse a controlar as linhas ley seria algo que os outros garotos de Anglionby só poderiam começar a aspirar.”
E aí tudo começa a fazer mais sentido, o caminho dos garotos corvos vai se unindo ao caminho de Blue… e acontecem muitas coisas! Coisas que…só lendo pra saber ;)
Se vale a pena ler a série? VALE!

Esse livro possui:

 

Resenha 007 - Caçadora de Tempestades – Jennifer Bosworth


Caçadora de Tempestades - Jennifer Bosworth
Sinopse: Skoob
Comprar: Travessa
Editora: Agir Now
 


O livro conta a história de Mia Price, uma garota que gosta de raios, não, ela é “viciada” em levar descargas elétricas. (loucura né?)

“Meu nome é Mia Price, e sou viciada em raios. Pronto. Agora você sabe a verdade. Quero que os raios me encontrem. Desejo isso como pulmões desejam oxigênio. Não há nada no mundo que faça alguém se sentir mais vivo do que ser fulminado. A não ser, é claro, que seja fatal. Isso acontece comigo de vez em quando, e foi por isso que me mudei para Los Angeles. Como diz a música, nunca chove no sul da Califórnia. Mas a música também diz que as tempestades são de arrepiar. E ela está certa.” 

No começo do livro conhecemos um pouco sobre a vida de mia. Ela mora em Los Angeles com a mãe e o irmão. A cidade em que a personagem mora foi devastada por um terremoto, que deixou a cidade um caos, e muitas pessoas feridas precisando todos os tipos de ajuda e suprimentos. A mãe de mia sofreu um acidente grave, no terremoto e precisa dos remédios, para cuidar da mãe, e como tudo está um caos, mia recorre a o tratamento da mãe, de um modo nada tradicional. (vocês vão entender...hahaha) No meio desse mundo pós-apocalíptico existe dois grupos inimigos, os caçadores e os “seguidores/pregadores”, esses dois grupos acredita que mia é a chave para resolver uma profecia antiga e vão brigar para que ela escolha um lado. 

Gostei muito da Mia, que logo de cara percebemos que ela é uma mocinha corajosa e determinada. Que não se deixa levar tão fácil, e que questiona tudo e a todos. 

No livro temos o mocinho (claro né!? Sempre tem um bonitão!rsrsrs) Jeremy, misterioso, lindo e que salva mia de certos problemas. Mia e Jeremy tem uma química boa que eu espero que continue no próximo livro. Os beijos entre os dois são de incendiar (alguém chama o bombeiro pra esses dois?). Só achei um pouco chato o fato de Jeremy não aparecer muito no livro. ( esperemos que a autora mude essas poucas aparições.) 

Ai, meu povo! Se te uma coisa que me incomodou bastante foi aquele irmão da mia. Parker, ele é o irmão caçula da nossa protagonista, e faz cada coisa, (contraditórias ainda por cima!) É como se ele não se importasse com a vida da irmã (que aliás, faz de tudo para manter eles seguros de todo o drama que eles estão passando). Parker sempre faz “coisas” insensatas e petulantes, briga com a irmã constantemente achando que pode ser algum grande herói. As atitudes de Parker são muito chatas, o que me fez não gostar nada dele. E me faz pensar... Que tipo de irmão fica do lado errado da força? Que irmão é esse que mesmo sabendo das “condições” da irmã faz coisas estúpidas para prejudica-la?(alguém avisa pra esse menino, que não se deve contrariar os irmãos mais velhos? Rsrs). 

Mesmo eu não gostando do Parker que é um personagem bem construído, simplesmente adorei o livro e os personagens secundários que vão aparecendo ao longo da trama. O livro é super eletrizante do começo ao fim, e deixa aquele gostinho de quero mais. Espero que a continuação não demore pra sair. Quem quiser ler um livro cheio de emoções do começo ao fim, caçadora de tempestades é a pedida certa.

Esse livro possui:


Resenha 006 - O Orfanato da Srta. Peregrine Para Crianças Peculiares - Ranson Riggs


Orfanato da Srta. Peregrine Para Crianças Peculiares
Sinopse: Skoob 
Comprar: Livraria da Folha 
Editora: LeYa



Decidi pegar a obra O Orfanato da Srta. Peregrine Para Crianças Peculiares depois da notícia de que Tim Burton estaria adaptando o mesmo para o cinema. Não li sinopse, não busquei pelo autor e pela capa, acreditava se tratar de um terror gótico. Quando comecei a ler, vi que era totalmente diferente do que eu havia imaginado. Se tratava de uma história simples, com uma pegada infanto-juvenil que me lembrava um pouco As Crônicas de Nárnia, Harry Potter e todas aquelas obras em que o protagonista é um adolescente com uma vida simples até que algo muda sua vida e ele passa a viver em um universo totalmente mágico excêntrico.
A obra de Ransom Riggs narra a história do jovem Jacob, que cresceu ouvindo histórias fascinantes de seu avô desde criança, até que um dia, ele recebe uma ligação e encontra seu avô morto no jardim de sua casa. Após esse acontecimento, Jacob começa a receber algumas dicas e passa a acreditar que tudo aquilo que seu avô contava poderia ser verdade. Ao contar para seus pais que o avô foi atacado por um monstro, o adolescente de 16 anos é levado para o psicólogo e é diagnosticado com transtornos. Sem acreditar no resultado, Jacob pede para que seu pai o leve em uma viagem até uma ilha na costa do País de Gales (local em que seu avô cresceu e palco das histórias que contava para seu neto) para que ele tire da cabeça as histórias do avô.

Ao chegar na cidade, Jacob entrevista diversos moradores, se mete em algumas encrencas, encontra o orfanato que seu avô viveu abandonado. Quase desiludido, Jacob encontra uma fenda que o transporta até o dia 3 de Setembro de 1940 (período da segunda guerra mundial). E é a partir daí que a história passa a ficar maravilhosa. O autor nos apresenta crianças peculiares e encantadoras. Haviam crianças invisíveis, que voavam, muito fortes, que ressuscitava animais ou pessoas mortas por minutos e por aí vai...
 

Apesar de muitas cenas clichês, descobrir quem era o vilão logo de início e um romance relativamente bobo, o Orfanato é um livro bastante cativante e que te prende pela ambientação e pelos personagens. Outra característica muito interessante da obra é o cuidado que o autor teve ao inserir as fotografias no livro, dando um certo toque de realidade e inovando no gênero. Quando conclui o livro, fiquei bastante feliz por ser o que era.  Uma aventura que celebra a amizade (independente do quão peculiar seus amigos podem ser), que reacende aquela chama da imaginação de quando éramos crianças e nos transporta para um universo que gostaríamos de viver pelo menos uma vez.


O O Orfanato da Srta. Peregrine Para Crianças Peculiares é uma trilogia, porém os outros dois volumes ainda não estão disponíveis no Brasil. Já a adaptação para os cinemas está prevista para o primeiro semestre de 2016 e com certeza será um sucesso por se tratar de um novo gênero, que mistura terror, aventura e romance.

Resenha pelo Felipe Borba, enviada especialmente para nós.

Info Parceria - Chiado


Como alguns leitores perceberam, a parceria com a Editora Chiado foi feita esse mês.
Já chegou o primeiro livro pra resenha e estamos muito animadas. =)

Sinopse:
Desconcertante, Pedro Chagas Freitas ensina-o, no seu estilo irreverente e único, a olhar para o mundo de um ângulo completamente diferente. Um ângulo que elimina, sem misericórdia, conceitos e percepções que você julgava intocáveis.
“EU SOU DEUS” não é sobre fazer as coisas direitas – mas sim sobre ir ao encontro do seu direito. O direito a respirar, o direito a pensar, o direito a ser. O direito a viver.
“EU SOU DEUS” não é sobre aquilo que você não pode fazer – mas sim sobre aquilo que você pode, e deve, fazer. Você pode sentir medo, pode sentir inveja. Você pode sentir aquilo que o mundo insiste em dizer-lhe para não sentir. Você pode ser o seu mundo. Por isso: porque não mudar o mundo?
“EU SOU DEUS” não é um livro de auto-ajuda. Mas, se você o ler, pode auto-ajudar-se. Tenha cuidado.

Resenha 005 - Fragmentados - Neal Shusterman



Fragmentados - Neal Shusterman
Sinopse: Skoob
Comprar: Travessa
Editora: Novo Conceito
 

Em uma sociedade em que os jovens rejeitados são destinados a terem seus corpos reduzidos a pedaços, três fugitivos lutam contra o sistema que os fragmentaria.

Unidos pelo acaso e pelo desespero, esses improváveis companheiros fazem uma alucinante viagem pelo país, conscientes de que suas vidas estão em jogo. Se conseguirem sobreviver até completarem 18 anos, estarão salvos. No entanto, quando cada parte de seus corpos desde as mãos até o coração é caçada por um mundo ensandecido, 18 anos parece muito, muito longe.
O livro fala de uma sociedade onde os jovens menores de 18 anos que são rejeitados pelos pais ou órfãos são encaminhados para uma colheita para posteriormente terem seus corpos fragmentados, ainda vivos, e as partes serem mandadas para transplante, que é chamado de "A Lei da Vida". Sim, é isso mesmo o que você leu! E os jovens não tem direito a escolha. Seus pais ou o governo que decidem.
É nesse mundo, um pouco assustador, que se desenrola a história de Connor, um jovem rebelde, que apronta todas e por causa de todas as confusões que causou seus pais resolvem manda-lo para fragmentação. Ao descobrir isso antes que ir, Connor resolve fugir.
Outro personagem é Risa. Uma garota pianista, boa menina, estudiosa que nunca deu trabalho, mas por ser órfã e isso custar ao governo, é mandada para fragmentação.
O último personagem de destaque é Lev. Ele nasceu em uma família religiosa que decidiram manda-lo como um dízimo para fragmentação e ele aceita isso de bom grado.
Os capítulos são narrados em terceira pessoa, cada capítulo foca na visão de um dos três e com algumas pequenas participações de outros personagens. O que ficou interessante porque podemos entender bem o que aquele personagem está pensando. 

Como fã assumida de distopia, fiquei doida para ler esse livro quando a Novo Conceito anunciou o lançamento. Apesar de que no meio do livro senti a história se arrastar um pouco (por isso 4 estrelas), o livro é fantástico! Nos faz pensar em um mundo onde as pessoas não vão mais sofrer porque algo no seu corpo não está funcionando bem. Vão receber um transplante de um jovem fragmentado que os pais não queriam mais. Com histórias aleatórias que nos tocam, o livro meio que pergunta: será que vale a pena salvar várias vidas tirando apenas uma? O livro tem aventura, drama, romance e aquele choque de realidade. Acaba sendo uma crítica para sociedade.
Durante a leitura vários sentimentos me rodaram. Senti raiva, pena, frustração, carinho, revolta, coração apertado porque me coloquei dentro do livro. A minha maior revolta foi: como os pais assinam um papel mandando seus filhos para morte apenas porque não o querem mais? Sem falar na frieza que tratam o assunto. Um livro que me fez várias vezes para de ler para pensar e absorver o que estava lendo. Definitivamente uma história que indico para todos lerem, vale muito a pena.

Só porque a lei diz, não significa que é verdade.”

Esse livro possui:
 


Resenha 004 - Arma da Vingança - Danilo Barbosa

Arma da Vingança - Danilo Barbosa
Sinopse: Skoob
Comprar: Amazon



Pra fazer jus a essa resenha, devo começar alertando os leitores da mesma forma que fui alertada: "ESTA NÃO É UMA HISTÓRIA DE AMOR".

Comprei esse livro por causa do autor. O Danilo é aquele tipo de cara que dá vontade de abraçar e levar pra casa. Dai quando ele me disse: passa lá pra comprar meu livro, na minha linda estadia na Bienal do Livro do RJ, eu nem pensei duas vezes.

De cara já dá pra suspirar. O que dizer dessa capa bafônica? Mitou. <3

Arma da Vingança, que vou apelidar carinhosamente aqui como AV, conta a trama da Ana, uma moça que nasceu pra sofrer, SÓ PODE! Ana é como muitas jovens por ai, corre atrás, trabalha, luta pra ter o que é teu e ama os amigos. A diferença é que tem um dedo PODRE pra homem. (ou não é diferente de muita jovem também, vai saber)

Ela tem um histórico ruim com um cara e foge um pouco de sofrer de novo. Mas como mulheres tem hormônios, nada mais estimulante do que um cara de sunga. Sim, morri com o Ricardo.

Flertes, aquele encantamento inicial, vida a dois... Tudo isso tem no livro. Acontece que o Ricardo não é o cara mais legal do mundo. É uma pessoa com distúrbios psicológicos causados por traumas da infância e age friamente perante às mulheres.

Sem querer contar muita coisa pra não acabar com a diversão, o livro é TENSO. Tem sangue, sofrimento, morte, raiva, sofrimento, raiva e sangue (já falei?). rsrs
Ana é a mocinha foda que você quer ver nos livros. Se você tá cansado de mocinhas frágeis e que são as virgenzinhas delicadas que precisam de um homem, venha pra Ana, meu bem. Ela arrasa. Ela aprende que se eles podem pisar nela, ela sabe pisar também (e esfaquear, bater, maltratar...).

"Os homens são previsíveis. Por causa de sexo, eles falhavam, baixavam a guarda. O sexo para o homem era inebriante, como uma droga fatal..."

AV me tirou de um tédio sem fim e me surpreendeu em cada página. Eu levei o livro pra um churrasco pois PRECISAVA terminar. AV é o tipo de leitura que te coloca fora da zona de conforto. É intenso, dramático e super possível. Um banho de realidade nas pessoas que fecham os olhos aos que sofrem de algum abuso físico ou psicológico.

Comi o livro em algumas horas e amei cada minuto. =)
Atreva-se e se joga na vingança. Depois me conte.

Esse livro possui:

 
 


Resenha 003 - A Mulher do Viajante do Tempo - Audrey Niffenegger

A Mulher Viajante do Tempo - Audrey Niffenegger
Sinopse: Skoob 
Comprar: Submarino
 

Imagine que você está brincando no jardim de sua casa quando dá de cara com um homem que surge do nada, sem nenhuma roupa, e que te conta que está assim porque é um viajante do tempo. Mesmo aos seis anos, é difícil de acreditar. Mas Clare acredita, e este é o primeiro de muitos encontros e desencontros deste casal.

Em A Mulher do Viajante do Tempo, de Audrey Niffenegger, Henry tem uma anomalia genética que o faz viajar a momentos emocionalmente importantes de sua vida, no passado e no futuro, sem que ele consiga se controlar. O livro é narrado alternadamente por Clare e Henry, o que enriquece a estória pois temos os pontos de vista e sentimentos dos dois.
Em alguns momentos, devido as suas viagens, Henry se mete em apuros, situações inusitadas e até perigosas, mas em outros essas mesmas viagens o levam para perto de Clare, que vai crescendo e se apaixonando por um Henry sempre mais velho, que chega e parte de forma inesperada.
Quando os dois finalmente se encontram vivendo no mesmo tempo, tem que enfrentar os desafios de manter um relacionamento afetivo e familiar normal. Só que a vida deles é tudo, menos normal...
Com muito amor, surpresas, reviravoltas e dificuldades, a estória de Clare e Henry é imprevisível, mas especialmente diferente. 

Além disso, as viagens no tempo trazem diversos questionamentos ao leitor.
Como você reagiria se tivesse a oportunidade de reviver aquele mesmo momento? Mudaria alguma coisa? E se topasse com você mesmo, vindo de um tempo diferente? Mais jovem, mais velho...
E se voltando no tempo você pudesse encontrar alguém que já se foi?
E se...? O tempo adquire um significado diferente e novo a cada capítulo. A gente se pega pensando em como poderia ser viajar no tempo.

Este livro foi adaptado para o cinema e aqui no Brasil recebeu o nome de “Te amarei para sempre”.
Apesar da boa adaptação, o livro é imensamente mais rico. Vale a pena você conhecer. Depois que a gente começa a ler, fica difícil largar!

Esse livro possui: